BluePex® tem renovado seu credenciamento como empresa estratégica para a defesa do Brasil

Com a chancela, recebida após avaliação técnica, Forças Armadas do Brasil reconhecem a tecnologia da BluePex® como essencial para a manutenção da soberania nacional

A BluePex® – empresa que desenvolve soluções de segurança da informação para o mercado corporativo com foco em defesa, controle e disponibilidade – acaba de obter o reconhecimento das Forças Armadas do Brasil em relação à qualidade de seus processos e a eficiência de suas soluções. A empresa acaba de passar por avaliação técnica e administrativa que resultou na renovação do credenciamento da BluePex® como Empresa Estratégica de Defesa (EED), selo que carrega desde 2012, bem como o de detentora de Produto Estratégico de Defesa (PED).

De acordo com Jefferson Penteado, fundador e presidente da BluePex®, o novo reconhecimento reforça a parceria existente entre a BluePex® e as Forças Armadas, que já dura oito anos, e resultou em uma série de melhorias, fruto de um desenvolvimento conjunto, à tecnologia fornecida pela empresa.

“O Exército Brasileiro vem sendo um parceiro muito importante e contribuiu significativamente, ao longo dos anos, para tornar as soluções da BluePex® cada vez mais eficientes e robustas. A chancela das forças armadas é uma prova de que nossa tecnologia está pronta para atender ao mais alto nível de exigência em segurança da informação e um grande incentivo para continuarmos inovando”, afirma.

Entenda o que é uma EED

Com a chancela de Empresa Estratégica de Defesa, criada a partir da lei 12.598/2012, as Forças Armadas reconhecem o importante papel da iniciativa privada no desenvolvimento de tecnologias que podem ser usadas para a defesa do País, e oferecem uma série de incentivos para as empresas consideradas pelo Ministério da Defesa como estratégicas. Essas empresas, que passam por uma criteriosa avaliação, são aquelas que dispõe de conhecimento e de tecnologias essenciais para  a manutenção da soberania nacional.

Para se tornar uma EED, a empresa precisa preencher uma série de requisitos. Entre eles, ter sua sede administrativa e industrial no Brasil, investir em atividades de pesquisa e ter maioria de brasileiros em seu quadro de acionistas.

Uma das condições mais importantes diz respeito ao compartilhamento tecnológico: a EED deve compartilhar com as forças armadas os direitos de propriedade intelectual e industrial de seus produtos. No entanto, ela poderá contar com a imensa e moderna estrutura das forças armadas para desenvolver ainda mais suas tecnologias e receberá incentivos para o desenvolvimento tecnológico. Com isso, a empresa poderá acelerar o processo de inovação e gerar novas tecnologias, que ela poderá fornecer, com sua própria marca, ao mercado.

Um dos maiores exemplos de sucesso deste tipo de compartilhamento e incentivo é a EMBRAER. A parceria com a Força Aérea Brasileira foi essencial para que a empresa pudesse desenvolver produtos melhores e se consolidar como uma das maiores fabricantes de aeronaves do mundo.

Sobre a BluePex®

Uma das principais empresas da área de segurança da informação, a BluePex® é considerada pelo Ministério da Defesa uma Empresa Estratégica de Defesa (EED). Com mais de 20 anos de mercado e mil clientes ativos, a BluePex® desenvolve soluções de segurança da informação para o mercado corporativo com foco em segurança, controle e disponibilidade. Como uma one stop shop de produtos do segmento de segurança, oferece tecnologias inovadoras, completas, intuitivas e totalmente em nuvem.

Desde 2018, a BluePex® oferece a plataforma BluePex Cloud Suite, que contempla todos os recursos que o responsável pela tecnologia da informação precisa para garantir a proteção e disponibilidade da rede corporativa, além da produtividade das equipes. Entre os recursos da plataforma, uma das primeiras em nível mundial a ser 100% em nuvem, estão o gerenciamento integrado e inteligente de serviços, firewall, antispam, nuvem de backup, monitor de data center, controle e proteção de endpoints e servidores. Quando necessários, também fornece hardwares próprios, que são oferecidos na modalidade de Hardware Como Serviço (HaaS).

Exame cita a BluePex® em artigo sobre eventos online para empreendedores

O portal exame citou a BluePex® em sua matéria, que lista cursos e eventos que serão disponibilizados ao longo da primeira semana de março.

“A BluePex, empresa que desenvolve soluções de segurança da informação para o mercado corporativo, promove amanhã, 10 de março, um webinar gratuito explicando o papel da Lei Geral de Proteção de Dados – LGPD, que regula trâmites envolvendo sobre a coleta e tratamento de dados pessoais dos brasileiros. O evento é direcionado para profissionais de TI e executivos (CEOs, CTOs, COOs) de pequenas e médias empresas e será ministrado por Nilton Souza, da BluePex.”

Notícia divulgada no Portal:

Webinar: o profissional de TI na adequação à LGPD

A BluePex – empresa que desenvolve soluções de segurança da informação para o mercado corporativo com foco em defesa, controle e disponibilidade, promove no próximo dia 10 de março, a partir das 10h, um webinar gratuito explicando o papel da Lei Geral de Proteção de Dados – LGPD, que regula trâmites envolvendo sobre a coleta e tratamento de dados pessoais dos brasileiros. O evento é direcionado para profissionais de TI e executivos (CEOs, CTOs, COOs) de pequenas e médias empresas e será ministrado por Nilton Souza, CBO da BluePex.

O webinar está chamando atenção da comunidade empreendedora. Até a última quinta-feira, dia 4 de março, mais de 300 pessoas já haviam se inscrito para participar. Não fique de fora. Para se inscrever, gratuitamente, basta entrar no link abaixo e preencher um breve cadastro.

A ideia do evento é abordar o tema da LGPD de maneira holística e trazer à tona o que de mais moderno existe no assunto, incluindo os ataques cibernéticos – uma ameaça cada vez maior -; novas tecnologias e legislação e a consequente necessidade de uma maior Infraestrutura de segurança e controle, tanto em nuvem como local; além de informações sobre multas, implicações, alcance da lei e até um roadmap, tudo explicado de maneira pragmática e pedagógica pelos especialistas da BluePex, para que faça sentido e seja inteligível para as respectivas realidades de negócios.

No ano passado, a BluePex foi pioneira neste assunto, ao realizar uma pesquisa com PMEs, investigando quão preparadas elas se declaravam para a LGPD. “O levantamento, feito em setembro, apontou que apenas 2% das pequenas e médias empresas – PMEs, se consideravam totalmente preparadas para as normas impostas pela Lei Geral de Proteção de Dados – LGPD”, comentou Souza, CBO da companhia.

Notícia divulgada no Portal:

O papel do profissional de TI na adequação à LGPD / 10 de Março

O evento é direcionado para profissionais de TI e executivos de pequenas e médias empresas e será ministrado por Nilton Souza, CBO da BluePex

A BluePex, empresa que desenvolve soluções de segurança da informação para o mercado corporativo com foco em defesa, controle e disponibilidade, promove no próximo dia 10 de março, a partir das 10h, um webinar gratuito explicando o papel da Lei Geral de Proteção de Dados, LGPD, que regula trâmites envolvendo sobre a coleta e tratamento de dados pessoais dos brasileiros.

O evento é direcionado para profissionais de TI e executivos (CEOs, CTOs, COOs) de pequenas e médias empresas e será ministrado por Nilton Souza, CBO da BluePex.

A ideia do evento é abordar o tema da LGPD de maneira holística e trazer à tona o que de mais moderno existe no assunto, incluindo os ataques cibernéticos, uma ameaça cada vez maior; novas tecnologias e legislação e a consequente necessidade de uma maior Infraestrutura de segurança e controle, tanto em nuvem como local; além de informações sobre multas, implicações, alcance da lei e até um roadmap, tudo explicado de maneira pragmática e pedagógica pelos especialistas da BluePex, para que faça sentido e seja inteligível para as respectivas realidades de negócios.

No ano passado, a BluePex foi pioneira neste assunto, ao realizar uma pesquisa com PMEs, investigando quão preparadas elas se declaravam para a LGPD. “O levantamento, feito em setembro, apontou que apenas 2% das pequenas e médias empresas – PMEs, se consideravam totalmente preparadas para as normas impostas pela Lei Geral de Proteção de Dados – LGPD”, comentou Souza, CBO da companhia.

Notícia divulgada no Portal:

BluePex: Estratégica para a defesa do Brasil

A BluePex, empresa que desenvolve soluções de segurança da informação para o mercado corporativo com foco em defesa, controle e disponibilidade – acaba de obter o reconhecimento das Forças Armadas do Brasil em relação à qualidade de seus processos e a eficiência de suas soluções.

A empresa acaba de passar por avaliação técnica e administrativa que resultou na renovação do credenciamento da BluePex como Empresa Estratégica de Defesa (EED), selo que carrega desde 2012, bem como o de detentora de Produto Estratégico de Defesa (PED).

De acordo com Jefferson Penteado, fundador e presidente da BluePex, o novo reconhecimento reforça a parceria existente entre a BluePex e as Forças Armadas, que já dura oito anos, e resultou em uma série de melhorias, fruto de um desenvolvimento conjunto, à tecnologia fornecida pela empresa.

“O Exército Brasileiro vem sendo um parceiro muito importante e contribuiu significativamente, ao longo dos anos, para tornar as soluções da BluePex cada vez mais eficientes e robustas.A chancela das forças armadas é uma prova de que nossa tecnologia está pronta para atender ao mais alto nível de exigência em segurança da informação e um grande incentivo para continuarmos inovando”, afirma.

Entenda o que é uma EED

Com a chancela de Empresa Estratégica de Defesa, criada a partir da lei12.598/2012, as Forças Armadas reconhecem o importante papel da iniciativa privada no desenvolvimento de tecnologias que podem ser usadas para a defesa do País, e oferecem uma série de incentivos para as empresas consideradas pelo Ministério da Defesa como estratégicas.

Essas empresas, que passam por uma criteriosa avaliação, são aquelas que dispõe de conhecimento e de tecnologias essenciais para a manutenção da soberania nacional. Para se tornar uma EED, a empresa precisa preencher uma série de requisitos. Entre eles, ter sua sede administrativa e industrial no Brasil, investir em atividades de pesquisa e ter maioria de brasileiros em seu quadro de acionistas.

Uma das condições mais importantes diz respeito ao compartilhamento tecnológico: a EED deve compartilhar com as forças armadas os direitos de propriedade intelectual e industrial de seus produtos. No entanto, ela poderá contar com a imensa e moderna estrutura das forças armadas para desenvolver ainda mais suas tecnologias e receberá incentivos para o desenvolvimento tecnológico.

Com isso, a empresa poderá acelerar o processo de inovação e gerar novas tecnologias, que ela poderá fornecer, com sua própria marca, ao mercado. Um dos maiores exemplos de sucesso deste tipo de compartilhamento e incentivo é a EMBRAER. A parceria com a Força Aérea Brasileira foi essencial para que a empresa pudesse desenvolver produtos melhores e se consolidar como uma das maiores fabricantes de aeronaves do mundo.

Notícia divulgada no Portal:

Racional Engenharia firma parceria com BluePex para melhorar desempenho em TI

A Racional Engenharia, empresa do setor de construção, passou a adotar as soluções da BluePex, empresa que desenvolve soluções de segurança da informação com foco em defesa, controle e disponibilidade. A BluePex tem entre seus clientes o reconhecimento das Forças Armadas do Brasil. Antes de adotar o novo fornecedor, a Racional mantinha contrato com uma empresa baseada no Vale do Silício.

“Sentimos a necessidade de nos desvincular dos padrões e das limitações estipuladas pelo fornecedor norte-americano. Para isso, fomos ao mercado explorar as mais diversas e variadas opções e a BluePex foi a mais completa que encontramos”, comenta Augusto Leonardo Santos Farias, Analista de Infraestrutura e Telecom Pleno na Racional Engenharia.

Naquele momento a empresa de engenharia precisava de um fornecedor flexível que entendesse sua modalidade de negócio, atendesse o cenário do ponto de vista técnico, oferecesse ativos versáteis para os mais diversos ambientes e mantivesse em primeira instância a segurança dos dados vinculada à estabilidade das interconexões de rede da empresa.

“As ferramentas atendiam a todos os pré-requisitos, dispondo de relatórios completos com dados estatísticos detalhados, dispositivos de segurança alinhados às exigências de mercado”, explica Farias.

Segundo Farias, a BluePex também apresentou desempenho superior em relação aos seus concorrentes, além de interface interativa que permite que os analistas internos efetuem mudanças complexas e flexibilidade contratual alinhada aos anseios e modelos do negócio.

“Passados dois anos desde a implantação, podemos declarar que a ferramenta está amadurecida em nossa estrutura, mantendo nosso escritório central, obras e sites remotos, seguros e interligados. No terreno da construção civil, principalmente com obras suntuosas, como as que nós trabalhamos, estar off-line no momento errado pode significar milhões de reais em prejuízo”, conclui.

Notícia divulgada no Portal:

Racional Engenharia firma parceria com BluePex para melhorar desempenho em TI

A Racional Engenharia, empresa do setor de construção, passou a adotar as soluções da BluePex, empresa que desenvolve soluções de segurança da informação com foco em defesa, controle e disponibilidade. A BluePex tem entre seus clientes o reconhecimento das Forças Armadas do Brasil. Antes de adotar o novo fornecedor, a Racional mantinha contrato com uma empresa baseada no Vale do Silício.

“Sentimos a necessidade de nos desvincular dos padrões e das limitações estipuladas pelo fornecedor norte-americano. Para isso, fomos ao mercado explorar as mais diversas e variadas opções e a BluePex foi a mais completa que encontramos”, comenta Augusto Leonardo Santos Farias, Analista de Infraestrutura e Telecom Pleno na Racional Engenharia.

Naquele momento a empresa de engenharia precisava de um fornecedor flexível que entendesse sua modalidade de negócio, atendesse o cenário do ponto de vista técnico, oferecesse ativos versáteis para os mais diversos ambientes e mantivesse em primeira instância a segurança dos dados vinculada à estabilidade das interconexões de rede da empresa.

“As ferramentas atendiam a todos os pré-requisitos, dispondo de relatórios completos com dados estatísticos detalhados, dispositivos de segurança alinhados às exigências de mercado”, explica Farias.

Segundo Farias, a BluePex também apresentou desempenho superior em relação aos seus concorrentes, além de interface interativa que permite que os analistas internos efetuem mudanças complexas e flexibilidade contratual alinhada aos anseios e modelos do negócio.

“Passados dois anos desde a implantação, podemos declarar que a ferramenta está amadurecida em nossa estrutura, mantendo nosso escritório central, obras e sites remotos, seguros e interligados. No terreno da construção civil, principalmente com obras suntuosas, como as que nós trabalhamos, estar off-line no momento errado pode significar milhões de reais em prejuízo”, conclui.

Notícia divulgada no Portal:

VPN: o que é e como criar?

Muitos usuários desconhecem o VPN, seus benefícios para a empresa e como criá-la corretamente. Por isso, vamos elucidar esse assunto neste artigo.

O que é VPN?

A sigla VPN significa Virtual Private Network, ou seja, Rede Privada Virtual. Essa é uma ferramenta utilizada para conexão de empresas e pessoas.

Ao acessar um endereço na internet, alguns dados são compartilhados. Assim, ao criar uma VPN, é possível o acesso à rede interna de uma empresa de qualquer lugar com segurança e sigilo.

Para as empresas, é uma ótima solução para manter todos conectados à rede, mesmo em caso de home office ou viagem. O que garante a segurança da VPN é a criptografia, que codifica os dados no tráfego.

Dessa forma, são impedidos ataques do tipo “man-in-the-middle” (“homem no meio”), onde hackers monitoram e roubam senhas e informações bancárias.

Mas seu uso não é apenas corporativo. Ela pode ser utilizada para acessar camuflar o IP para burlar bloqueios, e até acessar conteúdos internacionais.

Como criar uma VPN?

É possível criar uma VPN em qualquer lugar, precisando apenas de acesso à internet. Veja o passo a passo para criar sua rede:

  1. Acesse o menu iniciar e procure pelo painel de controle
  2. Clique em central de rede e compartilhamento
  3. Configure uma nova conexão rede, conecte a um local de trabalho e clique em avançar
  4. No Windows 7 clique em criar uma nova conexão e avance
  5. Clique em Usar minha conexão com a internet e insira os dados da empresa
  6. Marque “lembrar credenciais” e clique em criar

Dessa forma, para se conectar, basta entrar em Central de Rede e Compartilhamento, clicar em Alterar as configurações do adaptador e encontrar a VPN.

Mas fique atento, esse tipo de rede não é segura. Existe a possibilidade de criar uma VPN com antivírus e assim garantir segurança. Para isso é preciso ter um firewall que consiga assegurar a criptografia e o sigilo, usando firewall.

Aliás, a maioria das VPNs são perigosas e criadas desconhecidos com o intuito de fraude. Logo, é importante acessar VPNs através de programas seguros!

O BluePex® Firewall UTM oferece proteção de segurança em tempo real, evitando ataques e bloqueia sites perigosos. Além disso, ele garante a atividade e velocidade de todas as conexões através de compactação, criptografia dos pacotes e protocolos.

Quer saber mais sobre as soluções da BluePex® ? Fale com um de nossos especialistas.

Só 2% das PMEs estão preparadas para a LGPD, aponta pesquisa da BluePex

Um levantamento feito pela BluePex, uma das principais empresas nacionais da área de segurança da informação, aponta que apenas 2% das pequenas e médias empresas (PMEs) se consideram totalmente preparadas para as normas impostas pela Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD), que regulará trâmites envolvendo sobre a coleta e tratamento de dados pessoais dos brasileiros. Este número ínfimo de empresas prontas para a nova legislação contrasta diretamente com a proximidade no início da vigência da LGPD, que acontecerá provavelmente ainda em setembro deste ano.

O levantamento da BluePex ouviu 389 empresas de segmentos como saúde, autopeças, tecnologia, finanças, engenharia e energia durante os meses de julho e agosto, de todo o Brasil.

Notícia divulgada no Portal:

BluePex lança oferta para acompanhar produtividade dos colaboradores

Dentre outras funções, “produtividade” calcula o tempo que o funcionário passa em cada aplicação e software dentro do dispositivo corporativo

A BluePex, empresa especialista em soluções de segurança da informação anunciou o lançamento de uma nova oferta, desenvolvida para ajudar as empresas a medirem a produtividade de seus colaboradores durante a pandemia, mesmo que estejam atuando em regime de home office.

A nova funcionalidade, batizada de ‘produtividade’, calula o tempo em que o funcionário passa em cada aplicação e software no dispositivo corporativo. Essa é a primeira solução do gênero disponível no mercado que conta com toda a gestão integrada de forma nativa.

Segundo Nilton de Souza, diretor de soluções e negócios da BluePex, a nova ferramenta foi projetada para atender pedidos dos próprios clientes. Com a nova oferta é possível detectar, por exemplo, quanto tempo o colaborador ficou ocioso, avaliar as configurações do computador (se o HD está cheio, se algum software roda em segundo plano, se há ameaça de vírus, etc) e até acessar a máquina remotamente.

“As empresas têm investido cada vez mais em monitoramento para mensurar a produtividade de sua equipe. Cientes disso, resolvemos desenvolver este produto com foco na experiência do usuário, incorporando a feature que atende a este fim à nossa plataforma de cibersegurança”, afirmou o executivo.

O executivo relembra que como consequência da Covid-19 muitas empresas tiveram que investir de fato em ferramentas que pudessem aperfeiçoar o trabalho remoto, mas também reforça que com o crescimento do home office, também aumentaram os números de ataques cibernéticos durante esse período.

Desse modo, para evitar vazamentos, não basta contar com um simples antivírus, é preciso ter soluções que agreguem valor a este novo formato. Foi pensando nessa necessidade que a companhia projetou a nova solução, que compreende itens como gerenciamento de produtividade do colaborador em home office; VPN sem limites de licenças para conexão com a rede corporativa; inventário com geolocalização das máquinas da rede e controle de acesso do dispositivo em home office, que monitora quais ferramentas estão sendo acessadas.

A companhia reforça que toda a informação fica disponível em um mesmo painel de gerenciamento, que possibilita que o gerente de TI gerencie todos esses dados, estando dentro ou mesmo fora da empresa.

Notícia divulgada no Portal: